Academiæ

"Me disseram que pensar era ingênuo, e daí? Nossa geração não quer pensar. Pois que pense, a que há de vir."

A Nausea – Sartre

"O Homem está condenado à liberdade", "A existência precede a essência"

A NAUSEA

SARTRE, JEAN-PAUL
Jean-Paul Sartre (1905-1980) é ganhador do Prêmio Nobel de 1964. Filósofo, escritor e crítico francês, é o principal representante do existencialismo francês. Em 1940, foi prisioneiro de guerra dos alemães. Depois de libertado, lecionou no Liceu de Neuilly e, em seguida, no Liceu Condercet, em Paris, até 1945, quando fundou Les Temps Modernes. De suas obras filosóficas, destacam-se “O ser e o nada”, “Existencialismo e humanismo” e “Crítica da razão dialética”.

 

Formato: Livro

Coleção: 40 ANOS, 40 LIVROS

Autor: SARTRE, JEAN-PAUL

Tradutor: BRAGA, RITA

Editora: NOVA FRONTEIRA-

Assunto: LITERATURA ESTRANGEIRA

ISBN: 8520918751

ISBN-13: 9788520918753

Idioma: Livro em português

Encadernação: Brochura

Edição:

Ano de Lançamento: 2006

Número de páginas: 226

Preço médio: R$ 23,00 (pesquisando mais você pode encontrar mais baratos mais provavelmente de segunda mão)

Sinopse

A náusea (no original em francês, La nausée) é um romance existencialista do filósofo Jean-Paul Sartre, publicada em 1938, escrito quando Sartre ensinava no Liceu de Le Havre. Trata-se de um das obras mais conhecidas de Sartre. A náusea, publicado originalmente em 1938, é o primeiro romance de Sartre. Nele estão presentes, de forma ficcional, todos os princípios do existencialismo que seriam mais tarde postulados em “O ser e o nada” (outra obra de renome mundial), principal obra filosófica do autor. Escrito sob a forma de diário íntimo, o autor constrói seu romance filosófico a partir dos sentimentos e da observação de ações banais de Antoine Roquentin, o protagonista, que, ao perambular por uma cidade desconhecida, é confrontado com o absurdo da condição humana. Apresentação de Silviano Santiago.

Sartre em um dos seus habituais prazeres, fumar cachimbo.


Jean-Paul Charles Aymard Sartre (Paris, 21 de Junho de 1905 — Paris, 15 de Abril de 1980) foi um filósofo, escritor e crítico francês, conhecido como representante do existencialismo. Acreditava que os intelectuais têm de desempenhar um papel ativo na sociedade. Era um artista militante, e apoiou causas políticas de esquerda com a sua vida e a sua obra.

Repeliu as distinções e as funções oficiais e, por estes motivos, se recusou a receber o Nobel de Literatura de 1964 dizendo “O escritor não se deve deixár-se transformar pelas instituições”. Sua filosofia dizia que no caso humano (e só no caso humano) a existência precede a essência, pois o homem primeiro existe, depois se define, enquanto todas as outras coisas são o que são, sem se definir, e por isso sem ter uma “essência” posterior à existência.

Filosofia, humor, "pancadaria" e diversão.

Navegação de Post Único

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: