Academiæ

"Me disseram que pensar era ingênuo, e daí? Nossa geração não quer pensar. Pois que pense, a que há de vir."

Planeta dos Macacos: A Origem

Embora a historia tenha sofrido grandes tombos com as adaptações cinematográficas e muitas brecha ainda estão abertas e outras sem explicações muito convincentes (aos olhos severos da crítica) essa versão mais recente (e talvez a última) de Planeta dos Macacos superou as expectativas de alguns colunista que esperavam mais um enigmático filme entre humanos e macacos falantes.

Escrito por Rick Jaffa e Amanda Silver Planeta dos Macacos – A Origem fez sua lição de casa com empenho, finge ser um filme de ação, mas tem seu aspecto emocional, conta uma história condizente com a franquia, não se esquece de ter sentido e não decepciona com uma trama que se desenrola gradativamente sem pulos nem tropeços (que é como as versões anteriores deveriam ter sido).

ENREDO (atenção, contem spoilers)

Muito bom, sem muita apelação para efeitos especiais.

O novo filme se passa antes da história já conhecida sobre o domínio dos símios na Terra, e é só uma das teorias sobre o desfecho do filme. Numa das teorias os macacos ocuparam o lugar de cães e gatos (extintos por uma praga) no papel de animais de estimação, e substituíram os empregados como assistentes pessoais, até que os contínuos maus tratos aos quais eram submetidos levaram o macaco César, filho de macacos vindos do futuro, a liderar uma revolta.

No filme atual Will Rodman (James Franco) é um cientista, que na procura de uma cura para o mal de Alzheimer (incentivado por seu pai possuir essa doença), cria uma droga chamada ALZ-112. Porém, essa droga possui um efeito curto, e depois de algum tempo o corpo consegue produzir anticorpos que acabam com o efeito do vírus ALZ-112. O efeito desse vírus é completamente diferente nos símios. Nesses últimos, o vírus causa uma neurogênese, aumentando o QI dos símios.

Rodman testa com sucesso uma nova droga em uma chimpanzé apelidada de Olhos Brilhantes, porém, em meio a apresentação da sua nova criação, a chimpanzé enlouquece, destrói o laboratório e quase faz com que o cientista perca o emprego. Will descobre, ainda confuso com a reação do espécime, que ela há pouco estava grávida e apenas estava tentando proteger a cria recém-nascida. Rodman leva a cria para sua casa, onde descobre que a mutação exercida pelo vírus ALZ-112 é hereditária. Assim, a pedidos do seu pai batiza o filhote de César (devido uma peça teatral escrita por William Shakespeare ser sua favorita). Rodman, percebendo que o vírus é um sucesso nos símios, decide testá-lo, sem nenhum tipo de aprovação, em seu pai, que com única dose fica curado do Alzheimer. Seguindo sua vida normalmente com César, Will descobre uma veterinária Caroline Aranha (Freida Pinto), por quem, com a ajuda de César começa um relacionamento. Após 5 anos de uma aparente estabilidade, os problemas começam a aparecer.

Cesar, o símio evoluído que se comunica por sinais.

César começa a se questionar se ele é um membro da família ou apenas um animal de estimação. O pai de Will começa a reapresentar sinais de Alzheimer, e após uma confusão com a vizinhança, César tenta defendê-lo de um perigo eminente (na concepção de César) que era o vizinho. César é mandado para um abrigo para macacos chefiado por John Landon (Brian Cox) e seu filho Dodge Landon (Tom Felton). Lá percebe os maus tratos e o verdadeiro comportamento humano perante sua espécie e é onde decide mudar a situação dos símios.

Paralelamente, na busca de uma cura definitiva para a doença de seu pai, Rodman desenvolve uma nova versão do vírus com a intenção de que o composto chegue mais rapidamente ao cérebro, o ALZ-113. Porém o resultado dessa experiência é um vírus letal para os humanos mas não para os símios. Esse composto é roubado por César, que foge do abrigo, mas volta com o ALZ-113 e distribui para seus coespécimes. Assim, os símios fogem do abrigo, e vão para a cidade em direção ao parque das sequóias, tendo que atravessar a Golden Gate, onde acontece a luta principal entre humanos e símios. Ao final do filme, o cientista Will Rodman consegue alcançar César, já no parque das sequóias, e despede-se do chimpanzé estupefato, pois ao abraçá-lo César consegue falar: “Cesar is home.”, ou “César está em casa.”, em português.

O vírus se espalha no final do filme, demonstrando que somente sobreviverão símios no planeta Terra. Possivelmente, alguns humanos irão adquirir imunidade ao vírus mortal, porém serão dominados pelos símios. Durante o filme, é constantemente apresentada uma expedição à Marte em que foi perdida. É presumível que seja essa expedição que dará origem ao filme original.

COMENTANDO:

Bem verdade que esse Planeta dos Macacos – A Origem aposta em ser a história épica desse macaco, que talvez não se encaixe na equação em um primeiro momento, mas aos poucos (talvez tarde demais para os humanos) vai descobrindo que, mesmo diferente de todos à sua volta não precisa ser, necessariamente, uma ameaça. O resultado de tudo pode até não ser tão inesquecível, mas é feito com tanto cuidado (o roteiro) que constrói essa trama ao redor não de um punhado de macacos atrás de vingança, mas simplesmente à procura de um modo de se desvencilhar daquele mundo no qual não pertencem.

Para o deleite dos fãs, a trama acaba então não se perdendo em referências sem sentido, e nem sequer parece preocupado em ser um “início” pragmático, ainda que dê a estátua da liberdade de brinquedo para Cesar (que por sua vez ganha o nome de outro personagem famosa da franquia) brincar, lance (e até perca no espaço) a tripulação de uma nave que vai em direção à Marte e repita até a famosa “- Tire essas patas imundas de mim!” dita por Charlton Heston no primeiro (que nesse filme faz uma microaparição), mas sim pelo contrário, tentando fazer o “seu” Planeta dos Macacos, um filme que, assim como o de 1968 parecia ser um filme de ação, e até era, mas, com uma vontade enorme de contar uma história muito maior que qualquer ritmo que precisasse ter para entreter seu espectador.

Mais Sobre o Assunto:

Após ler, deixe seu comentário, elogio, crítica ou sugestão. Vlw!

Para saber mais confira em:

Navegação de Post Único

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: