Academiæ

"Me disseram que pensar era ingênuo, e daí? Nossa geração não quer pensar. Pois que pense, a que há de vir."

Análisando o luto

Essa postagem é uma analise filosófica do sentimento de luto, embora pessoalmente eu mesmo não me entenda a esse tipo de experiência tanto mental quanto emocionalmente, posso ajudar algumas pessoas que estão passando por isso recentemente.

A proposta deste artigo é analisar a dor e sofrimento no estado de luto como instrumentos da limitação humana, não obstante o homem poder superá-la através de modificações dos elementos que estão ao seu redor e ao seu dispor tal como o uso de mecanismos mentais.

O luto é um conjunto de reações a uma perda significativa, geralmente pela morte de outro ser. Segundo Bowlby quanto maior o apego ao objeto perdido (que pode ser uma pessoa, animal, fase da vida, status social…) maior o sofrimento do luto.

Entende-se por luto não somente a reação vivenciada diante da morte ou perda de um ser amado, mas também as manifestações ocorridas em outras perdas, como separações familiares, de amigos, conjugais. Lembranças de valores emocionais, como mudanças de casa e de país, remetem ao processo de luto. Frente à instalação destas perdas significativas, o luto é visto como um processo mental que as designa.

A característica inicial do processo de luto acontece pelas relembranças da perda aliada ao sentimento de tristeza e choro, sendo que a pessoa se consola logo após. Este é um processo que evolui, onde as relembranças são intercaladas com cenas agradáveis e desagradáveis, sem, necessariamente, ser acompanhadas de tristeza e choro. Além destes sentimentos, é comum o estado de choque, a raiva, a hostilidade, a solidão, a agitação, a ansiedade e a fadiga. Sensações físicas como vazio e tonteira.

A DOR TEM A ÚLTIMA PALAVRA?

Logicamente não, como pensavam os clássico da antiguidade. A morte é como uma anestesia permanente, ou sono se preferir. Os filósofos não dispõem de um laboratório cheio de bugigangas e geringonças para fazer suas teorias, analises e conclusões. Nos temos todo o mundo como uma fonte preciosa e infinita de conhecimento. Através disso é que chegamos ao sub-tópico seguinte.

SOFRIMENTO, MEDO E TRISTEZA

Durante o luto vivenciamos oscilações em nosso estado físico e mental que podem ser relativamente entendidos dentro dessa estrutura, mesmo que em culturas ou épocas diferentes, o homem vai ser sempre uma criatura presa as emoções, sejam elas boas ou más.

1. Choque. A pessoa se sente atordoada ou adormecida

2. Negação ou procura. A pessoa:

  • Fica em estado de incredulidade
  • Faz perguntas do tipo “porque isto aconteceu?” ou “porque eu não evitei isto?”
  • Procura maneiras de manter a pessoa amada ou a perda consigo
  • Pensa ver ou ouvir a pessoa perdida
  • Apenas começa a sentir a realidade do ocorrido

3. Sofrimento e desorganização. A pessoa:

  • Tem sentimentos como culpa, depressão, ansiedade, solidão, medo, hostilidade.
  • Pode culpar qualquer um ou qualquer coisa pelo ocorrido, incluindo a si mesma
  • Pode apresentar sintomas físico como dor de cabeça, dor de estômago, cansaço constante e falta de ar
  • Afasta-se dos contatos sociais e da sua rotina

4. Recuperação e aceitação. A pessoa:

  • Começa a olhar para o futuro em vez de se concentrar no passado.
  • Ajusta-se à realidade da perda
  • Desenvolve novos relacionamentos
  • Desenvolve uma atitude positiva

CONCLUSÃO

No sofrimento interior acontecem fenômenos em toda a estrutura humana. Intervém na memória, na imaginação ou fantasia e na própria inteligência. Tal sofrimento inclui o passado, o presente, o futuro inclusive o que está fisicamente ausente.

ENTEDIMENTO PESSOAL

Para mim, muito embora eu respeite o sentimento dos outros, não posso deixar de pensar que isso tudo é uma questão de se re-educar emocionalmente. Nossa sociedade nos “educa” a viver com todas as oportunidades que aparecem mais não nos educamos a “morrer”, mesmo vivenciando um luto significativo sussetivas vezes. Eu poderia citar frases celebres de filósofos famosos, escritores ou grandes intelectuais, mas vou citar apenas duas frases de dois personagens de TV.

“Isso, ela está morta. Ela morreu, o Wilson pode morrer e você também pode! E não aja como se soubesse disso agora.” – Dr. Gregory House, Dr. House 5° Temporada.

“Apego leva à paixão, paixão leva ao desespero, o desespero leva a tristeza, a tristeza leva ao Lado Sombrio. Desapegar-se das coisas deve você.” – Mestre Yoda, Star Wars: Guerras Clonicas.

Navegação de Post Único

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: